Isolamento social causa danos cognitivos e afetivos em crianças e adolescentes

Aconteceu: VIII Simpósio de Psicologia

Editoria: Psicologia

Entre os dias 24/08 e 26/08 a coordenação do curso de psicologia realizou o VIII Simpósio de Psicologia com diversas oficinas, rodas de conversas e palestras. As principais temáticas tratadas nesses dias foram: O cenário da Psicologia Jurídica, Gênero e Diversidade, Espiritualidade e Religiosidade na Psicologia, Psicologia do Trânsito e da Aviação, entre outros. Confira...

Entre os dias 24/08 e 26/08 a coordenação do curso de psicologia realizou o VIII Simpósio de Psicologia com diversas oficinas, rodas de conversas e palestras.

As principais temáticas tratadas nesses dias foram: O cenário da Psicologia Jurídica, Gênero e Diversidade, Espiritualidade e Religiosidade na Psicologia, Psicologia do Trânsito e da Aviação, entre outros.

Confira a seguir alguns registros do dia do simpósio.

I Seminário Internacional de Psicologia: A atuação profissional num contexto globalizado

Editoria: Psicologia

No dia 20/05, sexta-feira, ocorrerá o I Seminário Internacional de Psicologia com o tema "A atuação profissional num contexto globalizado" com a presença de palestrantes da Austrália, México, Japão e Canadá para discutir temas atuais da Psicologia e a sua práxis nesses países. O evento, que será realizado de forma remota, iniciará às 8h30 da...

No dia 20/05, sexta-feira, ocorrerá o I Seminário Internacional de Psicologia com o tema "A atuação profissional num contexto globalizado" com a presença de palestrantes da Austrália, México, Japão e Canadá para discutir temas atuais da Psicologia e a sua práxis nesses países.

O evento, que será realizado de forma remota, iniciará às 8h30 da manhã até às 12h e voltará novamente no período noturno, de 19h30 às 22h.

Clique aqui e acesse o link para a transmissão das palestras.

Confira a seguir a programação completa com os temas das palestras e seus respectivos ministrantes:

Segue também a biografia, resumo das palestras e foto de cada um dos palestrantes:

Mulher posando para foto em local com grama e árvores ao fundo
Descrição gerada automaticamente

Angélica Oliveira: Doutoranda no Programa de Neurociências e Ciência Cognitiva Aplicada na Universidade de Guelph (Canadá). Interesse de pesquisa em psicologia social experimental e psicologia evolucionista experimental, nas temáticas de compartilhamento de informações, fake news e persuasão.

Resumo palestra “Psychology of Fake News”:

Nesta apresentação serão discutidos os fatores que aumentam as chances desse tipo de conteúdo ser compartilhado, as principais motivações para o compartilhamento de desinformação, e as principais intervenções científicas que combatem o problema.

Homem em frente a prateleira com livros
Descrição gerada automaticamente

Jonathan Jones: Doutorando em Psicologia Social Aplicada na Universidade de Guelph, no Canadá. Interesses de pesquisa em psicologia social experimental, comportamento do consumidor e segurança pública.

Resumo palestra “Psychology of Terrorism”:

Será um bate-papo sobre temas relacionados à psicologia social do terrorismo, processos que levam pessoas comuns ao extremismo violento e quais tipos de estratégias de influência são utilizadas no recrutamento de novos membro para o terrorismo.

Homem de terno e gravata olhando para o lado
Descrição gerada automaticamente

Lucas Matsunaga

Ph.D. estudante e mestre em Governança Global e Desenvolvimento Sustentável. Estudante de pós-graduação no International Joint Graduate Program in Resilience and Safety Studies na Tohoku University, Japão. Graduado em Psicologia pela Universidade de Brasília.

Resumo palestra “Psychology of disasters – Public policies and experiences in Japan ”:
Venha aprender como este país pode criar oportunidades para a psicologia explorar nosso papel em salvar vidas e planejar políticas durante desastres. Vou compartilhar experiências reais que tive vivendo e estudando em uma das áreas mais afetadas por tsunamis e terremotos no mundo.

Rosto de mulher sorrindo
Descrição gerada automaticamente

Luz Maria Cruz-Martinez

Recebeu seu doutorado em Psicologia Social pela Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) em 2013. Ela é pesquisadora de psicologia social com experiência em avaliação de capital humano e design de produtos de recursos humanos. Seu trabalho é focado em influências culturais na personalidade e interações sociais, interação em redes sociais, engajamento, valores pessoais e valores sociais (etnopsicologia).

Resumo palestra “Psychological Role in Digital Transformation”:
O campo de trabalho dos psicólogos organizacionais transformou-se radicalmente nos últimos 20 anos, passando do trabalho de suporte organizacional para a criação de pessoas, informações e estratégias de gestão de recursos que transformaram a forma como o trabalho é feito em todo o mundo. Muito disso se deve à digitalização do trabalho e das ferramentas, bem como à mobilidade e globalização de indústrias e negócios. O papel dos psicólogos e cientistas sociais é integrar a humanidade em todos os processos que garantam modelos éticos de gestão e desenvolvimento que integrem digitalização e automação sem descuidar das pessoas.

Mulher com vestido florido
Descrição gerada automaticamente

Salene Souza

Graduada pela Universidade Católica de Brasília (CRP 01/9720). Mestre em Ciências do Cérebro e da Mente pela Universidade de Sydney/Austrália.

Palestra: “Intergrative Psychology: Expanding our vision to serve better”

Aconteceu: VII Simpósio de Psicologia

Editoria: Psicologia

A programação contou com momento cultura de músicas e reflexões

A programação contou com momento cultura de músicas e reflexões

O VII Simpósio de Psicologia aconteceu nos dias 4 e 5 de novembro com mini curso e atividade cultural no Auditório Verde. Os minicursos foram ministrados via meet nos seguintes temas: Humanismo, Psicologia analítica, Fenomenologia existencial, Comportamentalismo, psicodrama voltado para intervenção em crise, Logoterapia, Terapia cognitiva comportamental, Psicologia corporal, Empreendedorismo na carreira do psicólogo e Esquizoanálise. 

O encerramento do simpósio foi no Auditório Verde com o momento cultural. Um convite para uma valorização de estar juntos depois de um ano de pandemia, e para comemorar superações e readaptações de 2021. O momento ficou por conta dos professores de psicologia Yasmim e Wladimir que cantaram e promoveram reflexões.  

Aconteceu: Lançamento do livro de egressa de Psicologia

Editoria: Psicologia

Egressa Ivone dos Santos lança livro “Indisciplina e resistência na escola: Uma descrição fenomenológica”

Egressa Ivone dos Santos lança livro “Indisciplina e resistência na escola: Uma descrição fenomenológica”

Ivone dos Santos é egressa do curso de psicologia, graduada em Filosofia com mestrado  em Psicologia e doutorado em Bioética, entre outras especializações. O livro intitulado “Indisciplina e resistência na escola: Uma descrição fenomenológica” é  fruto da sua dissertação de Mestrado em psicologia. “Fiz esse mestrado em 2004 e fiquei com essa vontade de aprofundar os meus conhecimentos, então tive a oportunidade de cursar Psicologia no UNICEPLAC e aprofundar meus estudos para o livro” relata ela.

O lançamento do livro foi no dia 18 de novembro no Auditório Verde do UNICEPLAC, estiveram presentes alunos de Psicologia e Pedagogia, professores de ambos os cursos, amigos e colegas de profissão e de vida da Ivone Santos. Também houve sorteio de algumas unidades do livro. A egressa contou que foi uma experiência incrível lançar seu livro na instituição que até ano passado era aluna, “Foi emocionante voltar ao UNICEPLAC com essa conquista e estar com todas aquelas pessoas que foram prestigiar. Evidentemente foi uma delícia.”

Segundo a egressa, esse não é mais um livro sobre indisciplina, que é um problema muito recorrente entre os alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio. Ivone percebeu que a indisciplina poderia ter um sentido de resistência à opressão, resistência ao poder disciplinar, resistência a uma escola que não atende às necessidades dos próprios alunos. 

“Fiz esse livro para mostrar que os alunos são seres pensantes, e como protagonista devem ser ouvidos e considerados nas suas necessidades.” afirma a escritora.

Prefácio do livro

Hoje mais do nunca, a indisciplina tem sido um dos problemas mais preocupantes dentre aqueles que direta ou indiretamente afetam as vidas dos sujeitos educativos e  a qualidade do ensino. As relações entre professores e alunos tornam-se, cada vez mais, pontos de agressividade e violência, o que acaba por prejudicar o desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem. No sentido micro,  quem são e o que pensam os alunos indisciplinados? Quais são os sentidos da disciplina e indisciplina para os protagonistas que vivenciam tal fenômeno. 

O diferencial dessa obra é que nela os alunos considerados problemas e tidos como desajustados e incompetentes nas escolas são retirados da cultura do fracasso e do Silêncio imposto pelo poder disciplinar. Aqui nesse livro, eles têm vez e voz;  a perspectiva  é de contribuir,  por um lado para o desvelamento do caráter complexo dos fenômenos disciplina e indisciplina na escola e, por outro, para intensificar o debate necessário a construção de uma educação problematizadora e libertadora, inclusiva e de qualidade.

Curso de Psicologia oferece consultoria organizacional

Editoria: Psicologia

A consultoria é para a implementação de programas de diversidade e inclusão nas organizações

A consultoria é para a implementação de programas de diversidade e inclusão nas organizações 

O nosso curso de Psicologia, por meio do programa de iniciação científica, está realizando o projeto “Promova Diversidade e Inclusão” de promoção de programas de diversidade e inclusão nas organizações do DF e entorno.  A proposta é analisar a composição funcional das organizações participantes por entrevistas e grupos focais. A partir desse diagnóstico, será sugerido o programa de intervenção de acordo com as necessidades específicas da organização participante. 

A demanda por reconhecimento de diversidade e inclusão social em organizações tem sido crescente, mas pode trazer desafios na sua implementação. Esse projeto propõe ajudar nessa missão, proporcionando a experiência psicológica de inclusão para os funcionários de organizações e a implementação de ações que sustentem uma cultura inclusiva. Para as organizações que estão preocupadas em inovar e competir em um mercado cada vez mais globalizado e atento aos valores das empresas. Os benefícios vão muito além de atender clientes cada vez mais diversos com seus produtos e serviços, promove conhecimentos com perspectiva plural e cria valor para a marca, se inserindo em um contexto de valorização de questões sociais.

Para a sociedade são inúmeros os benefícios de mais organizações com programas de diversidade. Entre eles, a representatividade, que os grupos possam se ver em cargos de importância nas organizações,  produtos que atendem às necessidades desses grupos, uma vez que são elaborados por pessoas que conhecem essas necessidades. Além de promover um ambiente de trabalho mais saudável a partir da troca de experiências e a aprendizagem com a diversidade.

As organizações também se beneficiam com destaque no mercado e mais demandas, podendo inclusive ganhar prêmios com a iniciativa. Para participar a organização deve enviar e-mail com a seguinte descrição no campo assunto (Gestão de diversidades + nome da organização) para hannah.souza@uniceplac.edu.br

UNICEPLAC na segunda fase do I Desafio Universitário pela Primeira Infância

Editoria: Psicologia

 O projeto cuidar brincante está na segunda fase do desafio universitário  Nosso projeto que está participando do desafio é o “Cuidar Brincante”, cujo objetivo é promover assistência e acompanhamento multifamiliar, sistêmico e inclusivo, por meio de programas interdisciplinares e oficinas com métodos inovadores e pré-existentes relacionados à música, arte e dança, como musicalização, arteterapia, contação...

 O projeto cuidar brincante está na segunda fase do desafio universitário 

Nosso projeto que está participando do desafio é o “Cuidar Brincante”, cujo objetivo é promover assistência e acompanhamento multifamiliar, sistêmico e inclusivo, por meio de programas interdisciplinares e oficinas com métodos inovadores e pré-existentes relacionados à música, arte e dança, como musicalização, arteterapia, contação de histórias, dançaterapia e psicoterapias. 

A iniciativa CuidarBrincante é uma proposta interdisciplinar que envolve três dos nossos cursos, Pedagogia, Psicologia, Educação Física. O foco é a potencialização das múltiplas aprendizagens das crianças, por meio de intervenções lúdicas que possibilitam a interação com pares, com diferentes objetos e com cuidadores. Mediados por docentes e futuros profissionais dessas áreas que promoverão novas experiências nas relações sociais, psicomotoras e afetivas das crianças. Assim, o trabalho conjunto da equipe terá diferentes olhares da criança, para saúde e educação, sob os aspectos do desenvolvimento cognitivo, psicossocial, emocional e físico. As propostas serão delineadas a partir do levantamento das necessidades iniciais dos grupos, para direcionar estratégias de ação continuada com o enriquecimento de estímulos no cotidiano, bem como na busca de soluções para se ampliar os cuidados, de forma lúdica e educativa com as crianças, e educativa e preventiva com as gestantes.  O público alvo do projeto CuidarBrincante são gestantes de alto a baixo risco e crianças de 0 a 3 anos de famílias de baixa renda, moradores da região do Gama/DF, onde a IES se encontra.

> Link do nosso projeto no site do I Desafio da Primeira Infancia: https://bityli.com/bxmcq

Isolamento social causa danos cognitivos e afetivos em crianças e adolescentes

Editoria: Psicologia

Médico e psicóloga alertam para efeitos negativos da falta de convivência entre estudantes no ambiente escolar O período de quarentena e o decorrente ensino a distância impostos aos jovens estudantes têm lhes proporcionado constantes desafios psicológicos. Estresse, ansiedade e depressão são doenças que muitos deles talvez precisem enfrentar neste momento. Nesse sentido, o adequado suporte...

Médico e psicóloga alertam para efeitos negativos da falta de convivência entre estudantes no ambiente escolar

O período de quarentena e o decorrente ensino a distância impostos aos jovens estudantes têm lhes proporcionado constantes desafios psicológicos. Estresse, ansiedade e depressão são doenças que muitos deles talvez precisem enfrentar neste momento. Nesse sentido, o adequado suporte psicológico pode ser uma ferramenta de muita ajuda.

O rompimento abrupto da rotina causa um desconforto natural tanto em adultos quanto em crianças. As incertezas sobre o futuro acabam refletindo no comportamento das crianças, deixando-as inseguras, irritadas e agitadas. A professora do Uniceplac e psicóloga, Kellen Lima, explica que “o estabelecimento de uma rotina ameniza o impacto do isolamento, mas não substitui a importância do contato social para o desenvolvimento das crianças”.

Para a especialista, o contato social está relacionado também ao ensino de regras de convívio e respeito aos pares, resolução de conflitos, trabalho em grupo e aumento de repertório comunicativo. “Quanto maior o tempo de isolamento, mais o choro, os pedidos para sair e as falas de saudades acabam se tornando uma constante.  Alguns casos vão exigir orientação profissional no manejo parental acerca de sinais e sintomas de depressão, por exemplo”.

Segundo o médico e Ceo do Programa EuSaúde Educação, Ricardo Cabral, “o ambiente escolar é muito mais do que aprender o conteúdo, tem a prática de atividades físicas e a interação social com os colegas”. E acrescenta que durante esse período de suspensão das aulas presenciais é natural uma diminuição da curva de aprendizagem: “é plausível esperar que com menos estímulo haja menor resposta cognitiva. Estudos mostram ainda o aumento da irritabilidade, depressão, dificuldades de sociabilidade e até mesmo mudanças de apetite”

Uma outra preocupação crescente durante o isolamento é o aumento do uso de eletrônicos. “Com os pais em home office, e com as tarefas acumuladas, muitos deles acabam recorrendo ao uso de eletrônicos como forma de propiciar lazer aos filhos. Mas, o uso exagerado desses aparelhos acaba entrando na rotina e ocupando muitas horas do dia das crianças, tornando-as cada vez mais isoladas e irritadas. Os pais acabam preferindo que os filhos tenham acesso a esse tipo de recurso do que ficarem irritados e agitados em casa. Vira um ciclo vicioso”, complementa Kellen.

Os efeitos psicológicos devem ser considerados no momento da volta as aulas, já que parte das crianças e adolescentes estarão fragilizados, sofrendo com estresse ou outros problemas psicológicos. Uma das opções do programa EuSaúde Educação é oferecer aos estudantes que apresentam sintomas agudos um atendimento de telemedicina e telepsicologia. Muitas vezes, a telepsicologia pode ser feita em grupo, para que eles possam conversar, socializar e compartilhar sua situação atual, além de consultas individuais.

Recentemente, a OMS, o Unicef e a Unesco recomendaram aos governos que coloquem a abertura de escolas como prioridade. De acordo com as entidades, não existem evidências suficientes para declarar que a reabertura de escolas seriam as responsáveis pelo agravamento da transmissão da covid-19 em uma comunidade, desde que as medidas de proteção e de saúde fossem adotadas.

As recomendações são parte do novo guia publicado na última segunda-feira,14, pela OMS, Unesco e pela Unicef sobre a retomada das aulas e o papel do sistema de ensino em meio a uma pandemia. Essa é a primeira vez desde maio que a OMS atualiza suas orientações. O manual determina critérios e medidas com base na faixa-etária das crianças.