Dia do esteticista: entenda a importância do profissional na promoção à saúde e bem-estar

Dia Internacional da Mulher: professora de Direito do UNICEPLAC fala sobre as conquistas das leis contra a violência doméstica. Saiba como prevenir e denunciar

Editoria: Data comemorativa

Clínica do UNICEPLAC oferece atendimento psicológico gratuito No dia 8 de março, comemora-se o Dia Internacional da Mulher. Oficializada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975, a data celebra as conquistas femininas ao longo dos séculos, mas também alerta para os problemas de gênero que persistem em todo o mundo, como a violência e...

No dia 8 de março, comemora-se o Dia Internacional da Mulher. Oficializada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975, a data celebra as conquistas femininas ao longo dos séculos, mas também alerta para os problemas de gênero que persistem em todo o mundo, como a violência e a discriminação que as mulheres sofrem no dia a dia.

Nunca o Distrito Federal teve tantos casos de violência doméstica. Em 2023, foram 19.254 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha, o que representa um crescimento de 9,8% em relação a 2022. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP-DF).

Sancionada em 7 de agosto de 2006 como Lei n.º 11.340, a Lei Maria da Penha é uma referência à farmacêutica que sofreu agressões do marido durante anos, e representa um marco na história de luta das mulheres brasileiras. “Segundo esta lei, constitui violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ato ou omissão que se baseie no gênero e que, assim, cause lesão, sofrimento físico, psíquico ou sexual, dano moral, patrimonial ou até a morte”, explica a advogada Daiana Maria Santos de Sousa Silva, professora no curso de Direito do Centro Universitário do Planalto Central Apparecido dos Santos (UNICEPLAC) e orientadora do Núcleo de Práticas Jurídicas na instituição.

De acordo com a professora, estão entre os direitos das mulheres nesta situação: atendimento ininterrupto pela autoridade policial; medida protetiva de urgência a ser deferida na delegacia; ter seu contrato de trabalho suspenso por pelo menos seis meses sem risco de demissão; afastamento do agressor do lar; e pedido de pensão provisória.

No intuito de efetivar a operacionalização desses normativos, foram criadas algumas ações nas últimas décadas, como criação das Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher; Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; núcleos de atendimento às mulheres vítimas de violência; e a Casa da Mulher Brasileira. Além desses atendimentos presenciais, há plataformas digitais, como o Programa Mulher mais Segura, criado pela Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF), em 2021, que conta com o monitoramento de vítimas e agressores. O Dispositivo de Proteção à Pessoa (DPP) é um programa pioneiro, oferecido às vítimas de violência doméstica com Medida Protetiva de Urgência. Em tempo real, há monitoramento da distância entre a vítima e o agressor, 24 horas, durante 7 dias por semana.

Após a Lei Maria da Penha, outras regulamentações também foram importantes na luta contra a violência no Brasil, como a criação da Lei do Minuto Seguinte, n° 12.845/2013; Lei Joana Maranhão, n° 12.560/2015; e a Lei do Feminicídio, 13.104/2015.

Os desafios no combate à violência doméstica contra as mulheres são variados. Tem-se o medo, a insegurança, a vergonha de estar passando por uma situação como esta, a dependência emocional, ausência de uma rede de apoio, dependência financeira, machismo, entre tantos outros. Embora as políticas públicas de defesa das mulheres tenham se intensificado, mais avanços são necessários, sobretudo de uma perfeita conexão intersetorial e intrainstitucional dos órgãos de prevenção e a proteção das mulheres”, observa a professora Daiana.

Além do atendimento nas Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher (DEAM), e em todas as delegacias do DF, as denúncias podem ser realizadas de forma on-line; pelo e-mail denuncia197@pcdf.df.gov.br; pelo telefone 197; pelo WhatsApp (61) 98626-1197; e, ainda, em contato com a PMDF, através do número 190.

Clínica de Psicologia do UNICEPLAC oferece atendimento gratuito

No Distrito Federal, das 19.254 ocorrências na Lei Maria da Penha em 2023, 69% são do tipo violência moral/psicológica, como injúria, difamação e ameaça. “A violência psicológica, em geral, é aquela em que o parceiro tem como objetivo controlar sua parceira. E isso gera danos emocionais sérios. É uma violência difícil de identificar, pois as consequências não são visíveis. Em muitos casos, a vítima acaba sendo responsabilizada pelo que acontece dentro da relação. E mais: muitas vezes, as mulheres nem percebem que estão sofrendo os danos emocionais, que incluem depressão, distúrbios nervosos, ansiedade, entre outros”, alerta Flávia Oliveira, professora no curso de Psicologia do UNICEPLAC.

De acordo com a psicóloga, reconhecer este tipo de violência é fundamental para a proteção. “É importante a mulher estar atenta a comportamentos em que o outro tente controlar a sua liberdade. Observar, por exemplo, comentários que a deixe insegura, como falas negativas sobre o corpo ou outras atitudes que a leve a perder a confiança em si mesma”, completa a professora Flávia ao destacar a importância de uma rede de apoio.

No Distrito Federal, a clínica do curso de Psicologia do UNICEPLAC oferece atendimento gratuito à população, incluindo mulheres vítimas de violência doméstica. As consultas podem ser agendadas clicando aqui.

Dia do farmacêutico: data nacional reforça importância do profissional na promoção da saúde

Editoria: Data comemorativa

Conheça a história da profissão e veja a relevância dos farmacêuticos para o bem-estar da população  O Dia Nacional do Farmacêutico é celebrado anualmente em 20 de janeiro. A data escolhida é uma homenagem à fundação da Associação Brasileira de Farmacêuticos (ABF) em 20 de janeiro de 1916.  A ABF era a maior instituição representativa...

Conheça a história da profissão e veja a relevância dos farmacêuticos para o bem-estar da população 

O Dia Nacional do Farmacêutico é celebrado anualmente em 20 de janeiro. A data escolhida é uma homenagem à fundação da Associação Brasileira de Farmacêuticos (ABF) em 20 de janeiro de 1916.  A ABF era a maior instituição representativa da categoria no Brasil à época, especialmente por ter surgido com o objetivo de aumentar o reconhecimento e visibilidade desses profissionais essenciais à saúde. 

Como surgiu a profissão de farmacêutico?

A profissão de farmacêutico remonta à Antiguidade, quando os seres humanos começaram a usar plantas e ervas para fins medicinais. Na época, era comum que os profissionais que conhecemos hoje fossem chamados de "herbário" ou "curandeiros".

Os primeiros estabelecimentos destinados à preparação e venda de medicamentos feitos à mão surgiram apenas no século X, na Europa, em locais chamados de boticas. Séculos depois, foi em 1777 que o rei francês Luís XV criou o título de "farmacêutico" e determinou que apenas pessoas com esse título poderiam trabalhar nas boticas. 

No Brasil, a primeira escola de Farmácia foi criada em 1839, em Minas Gerais. Hoje, a profissão é regulamentada por lei e os farmacêuticos são profissionais de saúde reconhecidos pela atuação na promoção à saúde em instituições públicas e particulares.

Mercado de trabalho

Ao contrário do que muitos podem pensar, a atuação do farmacêutico não se restringe apenas à manipulação e orientação sobre o uso de medicamentos. Esses profissionais são fundamentais em pesquisas, desenvolvimento e produção de medicamentos, cosméticos, alimentos e outras áreas relacionadas à saúde pública. 

De acordo com o Conselho Federal de Farmácia, os farmacêuticos podem escolher entre 10 linhas de atuação e 135 especialidades para ingressar no mercado de trabalho. Veja quais são as linhas de atuação: 

  • Saúde pública;
  • Toxicologia;
  • Análises clínico-laboratoriais;
  • Educação;
  • Alimentos;
  • Gestão;
  • Farmácia;
  • Farmácia industrial;
  • Práticas integrativas e complementares;
  • Farmácia hospitalar e clínicas.

Além disso, todas as 135 especialidades estão contempladas na resolução n° 572, de 25/04/2013, do Conselho Regional de Farmácia. 

Entre elas, estão as análises clínicas e toxicológicas, alimentos funcionais e nutracêuticos, assistência farmacêutica, auditoria em saúde, biologia molecular, controle de qualidade, toxicogenômica, vigilância sanitária, vacinação e muito mais.

Como é a graduação em Farmácia do UNICEPLAC?

O UNICEPLAC oferta o curso de Farmácia na modalidade EAD com metodologia híbrida. Isso significa que os estudantes podem aprender toda a teoria onde e quando quiserem, e explorar as habilidades práticas nos laboratórios disponíveis no campus da instituição. 

Os laboratórios são os mesmos utilizados pelos cursos presenciais da área da saúde e contam com equipamentos modernos que também são utilizados no mercado de trabalho! 

Clique aqui e saiba mais sobre o curso. 

Leia também: Veja quais são as vantagens de fazer uma graduação EAD com metodologia híbrida

Dia do esteticista: entenda a importância do profissional na promoção à saúde e bem-estar

Editoria: Data comemorativa

Os esteticistas são fundamentais não apenas para cuidar da beleza, mas também para promover qualidade de vida aos pacientes. Saiba mais sobre a profissão! Comemorado anualmente em 18 de janeiro, o Dia do Esteticista é uma oportunidade para homenagear e reconhecer os profissionais que se dedicam não apenas aos cuidados com a aparência dos pacientes,...

Os esteticistas são fundamentais não apenas para cuidar da beleza, mas também para promover qualidade de vida aos pacientes. Saiba mais sobre a profissão!

Comemorado anualmente em 18 de janeiro, o Dia do Esteticista é uma oportunidade para homenagear e reconhecer os profissionais que se dedicam não apenas aos cuidados com a aparência dos pacientes, mas que também promovem saúde, bem-estar e autoestima.

Mas você já parou para pensar sobre a importância social desse profissional?

Ao longo de um curso de graduação em Estética e Cosmética, os profissionais são treinados para entender e cuidar da pele para oferecer tratamentos que vão além da aparência. Ou seja, por meio de técnicas de limpeza de pele, massagens e terapias diversas, por exemplo, esteticistas contribuem significativamente para a saúde física e mental de seus pacientes.

E as áreas de atuação são diversas! Enquanto alguns se concentram em tratamentos faciais, outros focam nas terapias corporais. Há também aqueles especializados em técnicas mais específicas, como drenagem linfática e estética oncológica.

Mercado de trabalho

A demanda por serviços estéticos tem crescido no país. De acordo com pesquisa da Euromonitor Internacional, o Brasil ocupa o quarto lugar entre os maiores mercados de beleza do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, China e Japão.

Esses indicadores têm um impacto expressivo na economia: segundo a Associação Brasileira da Indústria, Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), o crescimento do setor entre 2018 e 2022 foi 560% maior em relação aos períodos anteriores.

Quais são as áreas de atuação do esteticista?

Os esteticistas podem trabalhar em clínicas de estética, consultórios médicos, spas, salões de beleza, instituições de ensino e pesquisa, indústrias de cosméticos, academias e até mesmo em domicílio. Além disso, o profissional também pode abrir seu próprio negócio na área de sua preferência.

Além de versátil, a área da estética e cosmética oferece oportunidades de emprego em diferentes regiões e países.

Como me tornar um esteticista?

Para seguir na área, os interessados devem ter um diploma de ensino técnico ou superior em Estética e Cosmética, além de adquirir treinamento prático durante o processo de certificação.

Essa é a fase mais importante, já que é a etapa que oferece uma base sólida para que o profissional seja capaz de ingressar no mercado de trabalho com segurança.

O segundo detalhe fundamental é verificar a qualidade de ensino da instituição escolhida. No UNICEPLAC, por exemplo, o curso de Estética e Cosmética tem foco na prática profissional para proporcionar uma rápida inserção no mercado de trabalho.

Isso é possível devido à elevada carga horária de atividades práticas durante o curso, onde cada disciplina de 80 horas totais tem cerca de 50 horas destinadas às atividades práticas.

Entre os diferenciais também estão os projetos integradores, os laboratórios equipados com os mesmos materiais disponíveis no mercado, corpo docente de referência e a Clínica-escola, que atende a comunidade externa e interna gratuitamente.

Se interessou? Então saiba mais sobre o curso aqui.